Lamento



Não, não tenho coração de ferro,
Ele é de carne...
Dói igualmente aos outros músculos
Quando lesionados.
Dói de verdade

Não,  minha escolha não é o sofrimento
Mas minha essência é humana
 E trouxe-me de presente
a doença do amor (em todas as conjugações)
E por mais que dele me afaste,
quando o sentido é Éros
- não tente entender-

 Mas há o fraternal  e desse,
 é impossível correr.
E há aqueles fraternos
Que não sabem o que é amar
Então  parece,  que se alegram em fazer doer
o músculo da vida de quem os ama.

29/07/2012
Vanessa Vieira

Nasce um poeta


A criança ao nascer
é banhada em águas
e  uma leve palmada (as vezes)
lhe traz o choro de vida.

O poeta quando nasce
é mergulhado no mar de palavras
onde se banha com as letras....

Mas ele ainda não sabe nadar
e principia-se um afogamento...
Mas salve!!!
Porque a palavra tem magia

Vejam,
o danado engole as letras
e no instante seguinte
retorna à nau
Solto, 
e pronto a versejar!

_________________
Vanessa Vieira




Sentido Nato

A natureza quando cala
pede para que a escutem,
Pois sabe que o silêncio 
é a voz no mundo dos sentidos.
Que o sentido é o mundo
e que a natureza é o sopro de voz
do silencio.

OUÇAM

OU
            ÇAM

Porque sentido ComVida (é) viver

_______________________
Vanessa Vieira
in: 21/07/2012



Balada de um poema na praia

Vanessa Vieira



Sol e mar
Sol e mar
Sol e mar

(Ri)mar e sol
Sol mira(mar)

Mar e sol
Mar e sol
Mar e sol

Tempo
Vento
Praia
Mar
&
Sol

______________________
Vanessa Vieira

Haicai I

Madrugada aberta
pensamento aceso
vida em alerta

Vanessa Vieira


__________


Desconsciente

Sou um andante inconstante
e, como a terra,
aprendi que existem 
formas de fazer a roda girar 
Por isso, mesmo inconstante
giro pelo mundo e dentro de mim!

Sou inconsciente andante
porque cansei-me da consciência
regulamentada

Sou um andante
Desconciente
amante de giros

sou
E continuarei sendo
até que, como a terra,
eu não consiga mais 
reaver minhas forças 
para viver minha 
ideologia Girinconstante

________
Vanessa Vieira
17/07/12

Ritual


Abrem se olhos 
Lua alta ilumina

...

inda é manhã...
...

visto-me de brilho...
Estou pronta para viver

_____
Por: Vanessa Vieira

Sirva-se




Preciso de tempo
E de tempo me sirvo
Se assim não vivo
Ele passa
E eu...
fico...   

____

Vanessa Vieira
Crédito: © Royalty-Free/Corbis

Valsa






E se assim é
que assim seja
Valso com o vento
porque tenho em mim
parte d'um tempo.

Que tempo?
Ainda estou a descobrir...


Por Vanessa Vieira -  impulso (Di)verso.

[Imagem: desconheço o autor mas encontrei 
lá no mural de Elsa Maria Cunha.]

voAr



Voa
     voa
          voa

Voando

voei
voltei
verti
valsei
valeu
vesti-me

vim...

voa
voa

voAr


_______
Imagem: Sou do Rio - TRUPE GUIDO MORETO

Por: Vanessa Vieira

ConVersa





Quando o poema toca [ o ]
poeta se recolhe {para}
ouvi-lo.
No passo que segue
Abre-se o intertexto.

Por: Vanessa Vieira
Imagem de: Jasper James


Lendo Ferreira Gullar - em alguma parte alguma: José Olimpo Editora 2ª ed: 2010.

Terra Sonâmbula


E tenho pesquisado um pouco sobre Mia Couto, escritor, poeta (SENSIBILIDADE) nos apresentado aqui pela Carmen Silvia Presotto e pelo Edilberto Djuba Pires. Hoje a profª Rosane Marendino me indicou o livro Terra sonâmbula, fui lá procurar e vajam o que encontrei:

Compartilhar sempre!!!!



‎[...]



Poemas perdidos

Pródigos sim,

Profanos não!


By Vanessa Vieira
Fotografia de Albano Afonso

Uma noite em 67...


Uma bela indicação de Adriano Nunes e Carmen Silvia Presotto. Do início ao Fim. Uma Noite em 67, vale a pena conferir e saber um pouco mais da musica brasileira.

Caetano desajeitado no Palco
Chico B das novidades
Gil que estremece, mas,com atitude, define é sucesso
Violas se Quebram com vais da multidão
E por conta de Quem me dera agora
Ponteira...

Leva o público a um mesmo som!

Confiram



Viagens



Tanah Lot é uma intrigante formação rochosa na Indonésia, na ilha de Bali 



E de repente

Um lugar

Nada (r)

tem sentido



Vanessa Vieira - 02 - 07 - 2012

Partitura


Arte de Ilya Rashap



Na caixa um Canto

No canto um verso

no verso eu.


Por  vanessa Vieira  02- 07 - 2012

O cidadão de papelão



Ouço, reflito e escrevo... Sou da música... 

E escrevo

O Papel e o Não


Viver no templo
Sem a ele pertencer
Estado de papel
quando o papel é não.

Cria, Habitua
porque a vida
Está branca,
Quase escrita 
no papel e não
(H)áquele que vive 
a margem da vida
(se não)
por conta de um "simples"
Papelão. 

Vanessa Vieira






Peça




Clínica do Deficiente Musical - Página no face



Sou desse barco
o Remo
sou dessa aventura
o vento.

By Vanessa Vieira

 

Curta também

Blogs parceiros


Instagram @pensamentosvalemouro

Pensamentos Valem Ouro- Todos os Direitos Reservados | Layout por Qeen Design | Programação por Heart Ideas