Machado de Assis na íntegra!!! Deem ao povo o que é do povo!

Pois "é preciso pensar mais de duas vezes antes de colocar a mão em uma cumbuca!" É o que dizem por ai... Mas, embora eu não tenha cumprido corretamente todo o processo, vou colocar a minha mão assim mesmo. E vou, porque o caso é sério e o mínimo que posso fazer diante de tanta "inventabilidade" descabida é não me calar. 

Ouvi dizer por ai que querem "facilitar" um texto de Machado de Assis para assim, apresentá-lo à um público mais leigo... Pelo que entendi, escrever, com algumas outras palavras, o que já foi escrito e tem sido estudado, de um jeito ou de outro, há anos pelo povo brasileiro que consegue chegar aos bancos escolares.

Fiquei pensando no caso...Cabimentos, descabimentos... E minha luz acendeu! 

Por que redizer as palavras de um autor? ( se é este mesmo o propósito, caso que não creio muito) Visto que é certo, só ao autor cabe a capacidade de dizer o que de fato escreveu?  E as questões que daí seguem , reformuladas ou não, são interpretações. E, por serem interpretações, já transcendem o objetivo inicial do autor. Sabemos todos, ou pelo menos deveríamos saber.

Outra pergunta que não me cala é o porquê de nosso governo ainda aceitar projetos com tantos questionamentos!? Parecem mais leigos que os leigos mencionados em tal projeto. Por que fazer como o tolo, que sabendo das ressalvas sobre o atalho ainda assim decide segui-lo? Seria isto um grito? -" Vou à forca porque quero!!"

Por que não usam as verbas para distribuir os livros na íntegra aos públicos mencionados e, ao invés de privá-los de um trabalho cuidadoso como a leitura, ensiná-los a importância de ler, reler, e resolver os problemas de compreensões que possam surgir durante a mesma? Trabalho difícil!? Certo que sim, mas não impossível. E eu sou prova viva do que agora falo!

Mas,  pelo contrário, o governo prefere validar uma cópia às avessas. E sem perceber abre mais caminhos para que nossos estudantes que, já devem estar cientes de tal acontecimento, tenham mais um motivo para continuar fazendo cópias em suas atividades acadêmicas. porque continuarão sem estímulos para enfrentar os desafios que o estudo, de uma forma geral, deles requer.

A questão que mais me intriga, porém, é esta petulância de dizer que os menos favorecidos, se tiverem acesso a estas obras não seriam capazes de assimilá-las e, quem sabe se encantar com elas. Já ouvi falar em pesquisas sobre o baixo índice de leitores no país, mas nem sempre estes que não leem, são os chamados desfavorecidos. Sei que pode ser um equívoco, mas é um caso a se averiguar.

Quem me garante que um advogado, médico, psicólogo professor, cientista que seja, conseguirá ler fluentemente as obras de Machado de Assim, ou qualquer outro clássico brasileiro, sem precisar de uma consulta ao dicionário ou de uma pausa para melhor reflexão? Nasceram todos sabendo de cor a salteado a língua materna?

Bom, já que coloquei minha mão na cumbuca me permito perguntar... Por que não educar o povo? Por que insistir em buscar meios de deixá-los alienados? Por que não oferecer a eles o melhor? 

E quando digo povo me refiro a TODOS os brasileiros, sem distinção. Afinal, é isso que o povo merece O MELHOR, O ORIGINAL  e não as migalhas.

Esqueceram-se de que eles trabalham arduamente todos os dias para conseguir sustento? Pagam impostos ao governo, alimentam bandidos na cadeia, são roubados, e muitas vezes têm seus filhos mortos pela violência urbana?  E agora, ainda querem que se contentem com uma literatura fragilizada?

Ora! Façam-me o favor!

Meu nome é Vanessa, 
sou professora, desfavorecida, leitora 
e não aprovo este crime contra a literatura brasileira.


Vanessa Vieira



1 Comentários:

  1. Pois é Van!
    Faz uns dias que vi a discussão sobre esse projeto e também não me pronunciei porque como você mesma disse, pe colocar a mão num vespeiro.
    Vou começar citando meu caso. Eu não li nenhum livro do Machado de Assis porque sim, acho difícil. Foi escrito há sei lá quantos anos atrás no que hoje é considerado um português arcaico. Já peguei os exemplares de diferentes histórias dele e em nenhuma consigo evoluir, porque a linguagem não me deixa, porque a história não me atrai. Opinião pessoal. Escolha minha.
    Mas, contudo, porém, como escritora, poetisa, eu jamais permitiria que alguém alterasse minhas palavras. Acho um insulto, uma invasão. Creio que Machado deve estar se revirando com esse projeto. É um absurdo!
    Isso só cria mais gente preguiçosa. Tá complicado? Descomplica aí para mim que eu leio. Ahh, faça-me o favor!!!
    Ao mesmo tempo que disse que não li porque achei a linguagem difícil, posso dizer também que li livros difíceis, como Jane Austen e Shakespeare, e não foi só uma vez que tive que recorrer ao dicionário. Ora, e por que não?
    O fato de eu dizer que até hoje não li, não significa que não o lerei uma dia.
    Acho esse projeto descabido. Não tem sentido. Então descomplica a matemática também! Mudem os Teoremas de Pitágoras, de Thales, me expliquem em que raio de lugar na minha vida a sequência Fibonacci tem sentido.
    Deixem de ensinar Física e as aulas de química servem mesmo para quê?
    Ah, para quê ir para a escola também?
    Tá tudo tão assim...
    É decepcionante viver num país com um projeto desse. Pronto, falei.
    Beijos Van!
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir

Trate as pessoas da forma como devem ser. E você as ajudará a se tornarem aquilo que elas são capazes de ser (Goethe)

Obrigada pela visita!
www.pensamentosvalemouro.com.br

 

Curta também

Blogs parceiros


Instagram @pensamentosvalemouro

Pensamentos Valem Ouro- Todos os Direitos Reservados | Layout por Qeen Design | Programação por Heart Ideas