Reencontrando para desecontrar

Foto Ildo Silva
Olhando assim eu diria que foi ontem. Ainda consigo lembrar de muitos detalhes. As casas, as ruas, as pessoas... O tempo aqui dentro não passou, mas se foi e passou a fazer parte de uma história cheia de desdobramentos e, por isso mesmo, uma linda história. 

Agora escrevendo esta carta é como se eu ouvisse o narrador da vida contando-a:

"Aos 14 dias do mês de agosto do ano de dois mil e dois, um casal e suas duas filhas entraram na cabine de um caminhão que estava com a carroceria cheia. Guardaram lá seus móveis, pois estavam de mudança e seguiram viagem percorrendo quase 300km para aquela que seria sua nova casa. 

Saíram por volta das 21h deixando atrás de si uma casa cheia de lembranças, uma rua com marcas de suas caminhadas, pessoas com 'marcas' de suas palavras e lágrimas que diziam o quão importante fora a convivência para os dois lados. O que se ia e o que ficava.

A casa nova chegou, a vida nova também. Todo mundo foi se refazendo, ou melhor, continuou a vida. Mas para a filha mais velha, aquela história ainda estava mal contada. Seguiu seu rumo, mas sua casa antiga ainda estava forte e grande dentro de si. Fechou seus olhos para a vida nova. Estava no automático daquilo que se chama viver. 

Dois anos, cinco anos, seis anos... E foi então, que a pequena, agora moça, retornou ao seu antigo lar. Vendo-o habitado por outros tomou ciência de que aquele não era mais o seu lugar. A rua, antes cheia de lama agora estava calçada, as casas fechadas por cercas de arame, hoje têm muros e portões, as estradas enormes, agora parecem pequenas para aquela menina quase mulher. E as pessoas, nunca mais seriam as mesmas... E não eram!

Deu meia volta e, agora sim, fez sua despedida daquela casa. Estava pronta para viver sua vida nova, mesmo sabendo que precisaria de um caderno, imaginário que fosse, para anotar tudo aquilo que, por alguma despedida mal feita, deixara de viver em sua nova casa. 

É noite agora e amanhã 14 de agosto de dois mil e quinze,  treze anos serão completos desde o dia daquela repentina e necessária mudança. E a menina, que foi moça e agora é uma mulher, escreve esta carta para dizer mais um adeus e para celebrar mais uma vitória. 

Adeus porque lembrar de um tempo bom é sinal de que já passamos por ele. Vitória, porque poder lembrar é, também, uma forma de reviver e se reprogramar..."

Foto da foto| edição Vanessa Vieira
 

Comentários
4 Comentários

4 Comentários:

  1. Vaaan que fofuraa que ta aqui!! Saudades!
    Lindoo post!!
    Meu Blog
    Instagram

    ResponderExcluir
  2. Chega deu até saudade também.
    Como o tempo voa né, quando a gente pisca percebemos que a vida já passou.
    E que bom que você se tornou essa mulher linda.
    Beijos
    ♥ Te Conto Poesia

    ResponderExcluir
  3. Fazem 5 anos também que mudei de cidade, e voltei lá esse ano para vender a casa. Porém desde que sai vi que já não era mais o meu lugar, quando voltei lá senti uma sensação nostalgica também, e foi tão bom! Adorei o modo como expressou seu sentimento no texto. E sabe as vezes a gente fica tanto tempo preso no que não é mais a nossa vida que esquecemos que o tempo anda pra frente e que temos muito ainda pra viver.
    Beijão amore, www.desapegaadri.com

    ResponderExcluir
  4. o que seríamos sem nossas lembranças não é mesmo?
    aquele gostinho de saudade, e alguns arrependimentos kkkk.
    mas é bom crescer e se dar conta de tudo que conseguiu, que se tornou
    que mais coisas boas aconteçam pra você

    Desconstruindo blog

    ResponderExcluir

Trate as pessoas da forma como devem ser. E você as ajudará a se tornarem aquilo que elas são capazes de ser (Goethe)

Obrigada pela visita!
www.pensamentosvalemouro.com.br

 

Curta também

Blogs parceiros


Instagram @pensamentosvalemouro

Pensamentos Valem Ouro- Todos os Direitos Reservados | Layout por Qeen Design | Programação por Heart Ideas