DesAfiador












[Ida]

Ele vai contente, mas se prende,
Desde agora, na volta.

Sabe que na vida
Há singularidades [subjetivas]
Que são descobertas no impulso

Ele está em pleno  desAfio

Entende que o caminho é Longo
sabe os percalços que vêm
Mas em seus pensamentos

E dai?

Há um fio a trabalhar!



Por Vanessa Vieira
Imagem: © 2007. Elaborado por Trazo Felino Comunicadores (informações retiradas do Google)


Sól deL inho





Vejam,
ali estão eles!
São os bordadores
dos bardos

São os bardos
que fazem as bordas
de mim

:

[ que me havia
Pensando
Papel]

Salto
de pel para fio
e de
fio pra linho.

Sol fio deLinho!


Texto: Vanessa Vieira

DeLua




De tempos em tempos
Eu paro
Dou uma pirueta
e recomeço!

Ar!!
Preciso
RenovAr!!!

>> Meu tempo é quando <<
Já dizia Vinícius o que era de Moraes

Eu/s



Deito-me
em êxtase 
com o tempo

deleito...

sinto-me  esvaziar.
Sou em essência.

Ouço os pássaros,
o bailar das árvores...

Sou...
eu...

Num impulso,
olhos se abrem!
Agora 
sou outra
Sou o que 
construí
na vida...

tenho escamas...
tenho dramas...
tenho
e tenho muito/s

agora,
sou dois
em uns

e tantos que nem sei...

mas...

Nesta ciranda 
sigo assim,
emergente eu
eu emergente
de mim!

Por Vanessa Vieira
Imagem: Flor do Campo - Guilherme Junior 

Arlergias




Pequenos são os caroços,
Mas incomodam a pele
Espanto para quem vê
Tristeza de quem tem.

Alergias... alergias...
Melhor mesmo que fossem
aRlegrias!

Enfim, 
Caso assim
Soluciona-se 
Com a agulha...
...

Fina...

Dolorida...

São 3, 
Quase muitas
Pela intensidade 
De seus resultados

Desmaio 
E sonho

Sonhar o sono 
que acomete
é melhor...

e no final
tudo se cria 
e vira 
poesia.

Haja vida
Para que também 
Haja história!

Por Vanessa Vieira
Imagem Jason Dorfman/CSAIL

A todos os poetas amigos!


Necessidade poética



O poeta
Vive
E inventa

Em teu  viver
Há palavras
Pulsando
Chamando
Vivas
Em teu peito

E teu Inventar
Há necessidade
Porque
Há chamas
Incontidas
Que se aquietam
com o dizer
e com eles
Trazem de volta
Fôlego.

O poeta
Vive
E recria
Para dar movimento
à palavra
para dar continuidade
aos ditos
e não ditos
para pronunciar
e revolucionar
algo da vida.

.
.
.

Trocas

(...)

E o poeta nasce
Porque há sempre alguém,
Em algum lugar,
Esperando por suas palavras.

Ponto!

Por Vanessa Vieira
Imagem: http://samuelvigiano.files.wordpress.com/2010/09/casa_do_poeta.jpg (não encontrei o autor da imagem, mas não resisti. Tinha que ser esta.)



Saudações à Vinícius





Em cada verso 
um passo
em cada 
passo O
encanto
em cada 
canto a nota E
a rota!

O poeta 
das ruas,
das tuas 
e das minhas 
Aquele 
que canta 
E vive o amor
que deseja!

Aquele poeta,
que lança a poesia 
n'Alma
e que por isso
tornou eterno 
o seu 
em nosso
viver!


Saudações ao grande Vinícius!

Um poema tímido
de uma admiradora tímida
que procura aprender a lidar com os versos 
que traz em si.

Loading




Stop!

Não sei o que sou

Parem!

Parem o mundo!!!

Contem-me por favor
As histórias...

Abram as caixas,
E as janelas
E as portas
Em tantos
Portais
(de conhecimento)
 Que possíveis forem...


Vamos,

Mostrem –me.

Mas ainda assim,

Não saberei quem sou

Porque desde que nasci

Ando em

Loading...



(Lendo Ferreira Gular - Em alguma Arte alguma - Poema o duplo. )



Por Vanessa Vieira

Site da imagem: http://www.fotosearch.com/

Bordado






És a linha
eu, a agulha
e o conhecimento
o pano que nos une...

não pode o pano ser bordado 
sem o auxílio da agulha
e a agulha nada faz sem a linha e o pano.

os três juntos 
trabalham forte
são como o cordão de três dobras.
difícil de desunir.

professores, 
alunos
e conhecimento
(juntos)
podem construir
uma sociedade mais humana.


Por Vanessa Vieira - 15/10/2012

Imagem: colo o link pois não encontrei o autor: http://static.assimsefaz.com.br/images/3/46/85/229500/2/img.jpg 


PasSár_os





Leio sobre pássaros
Neruda os descreve bem!
cada um a sua característica
em seu ritmo
en su tiempo...

.

.
.

Cesso a leitura dos versos

mas sigo a alçada dos voos
e vou longe
porque amo a liberdade dos pássaros!

Lembro-me dos ventos
das alturas
dos lugares possíveis de alcanço

lembro do tempo...

muitos pássaros voam (livres)  agora
enquanto meu voo
é condicionado (ou não)

Termino o verso
pouso a caneta
(disfarçada de tecla)

mas...
Meu corpo
minha mente
por condicionamento,
sim!
será um voo

Eterno!




Poema: Vanessa Vieira
Arte: Créditos na imagem - Melanine G


Passagem


( pela infância que todos temos)


Passou o tempo
Passou o medo,
foi-se o vento
e também o calor

esfriou-se o encanto
(pois outros vieram)
Acabou o gás,
pois de certo
foi consumido

sim,
passou, passou e passou....

A infância se foi
mas fiquei eu
e com  essência!


Por Vanessa Vieira

A fonte




Sou fonte da minha  alegria,
diz-me o poeta quando fala das Estrelas.

Estalo.

Busco a fuga,
mas ela inexiste
quando o tempo é a vida.

Descanso,
Sim
D E S C A N S O


Injeto no sangue
O ânimo que essa
não fuga me impõe

E faço jorrar
em rios de minhas veias
a alegria
que dizia o poeta:
sou fonte!

Lendo Sulamita Ferreira – 10/10/2012

Por Vanessa Vieira
Arte de: René Magritte

Coloridos...

Facebook


Para viver no mundo colorido
É preciso ser lápis de cor...

Assim...

Casa
é a vida na caixinha...

E a alegria de tão colorida,
Vence a triste dor da tristeza.

Mas para ser lápis de cor colorido 
É preciso ser parceiro

Dai  nascem os vínculos
e se recriam as cores

Porque
viver no mundo

é

Sempre metáforas...
Sempre sentidos...
Sempre coloridos...

(quando se quer...)


( reeditado)

Toque


René Magritte «Le Vertige»




Quando o poema toca 
o poeta se recolhe 

para ouvi-lo

Em seguida,
abrem-se as janelas do intertexto!


Por Vanessa Vieira
Obra de René Magritte

Ps,: Salve Ferreira Gullar 
que muito tem me ensinado em seus versos!!



Esquecimento



Esperam-me as gavetas
porque lá guardei meus ensejos
quando parti voando-me
folha na vida.

voei, sim
contínuo voo
porém esqueci-me de mim
um buraco 
(o que sou) 
se alastrou em mim

e agora
voo na vida
porém voo pouco
voo nada

a seiva de minha 
folha se esvaiu
por falta de sustento.

e a arte, 
como bem sabe
minha folha,
se não se alimenta
dorme.

Poema: Vanessa Vieira
Imagem: não encontrado

O tempo tema da vida do tempo


Imagem Vanessa Vieira e Ildo Silva



E por isso,
Aninho-me no temaTempo
Pois de mim, e em mim,
Anda sempre In contento.

Com ele sou o que há
E onde...

Sou o que...

TampAço em mim!

Renasço diante do tempo
Reviro da vida o baú

Sim!
Sou o que há!

e em si sigo cantando
o temaTempo
temaVida


Ação da vida

( 2 de outubro meu tempo de re/nascimento)

 

Curta também

Arquivo do Blog

Blogs parceiros


Instagram @pensamentosvalemouro

Pensamentos Valem Ouro- Todos os Direitos Reservados | Layout por Qeen Design | Programação por Heart Ideas