Crônica: Aquele susto


Crôncias, Vanessa Vieira, Vanessa Vieira Escritora, Pensamentos Valem ouro, Blog Literário, Gêneros Literários


Há algum tempo eu tinha reuniões regulares com a terapeuta. E por conta de muitas questões quase sempre o meu horário era o primeiro que ela atendia no consultório na parte da tarde para a noite. Neste período ela se deslocava de outro município para este atendimento então chegávamos praticamente juntas e eu sempre esperava entre um acerto e outro para o início de nossa conversa. 

Certa vez, estava eu divagando sobre as minhas questões quando ouvi o celular dela tocando. Parei de falar e ao mesmo tempo notei que ela tinha tomado um susto e tanto com o toque do telefone. Fiquei intrigada com aquilo. Não pelo celular ter tocado, afinal entre uma coisa e outra era normal que isso fosse esquecido às vezes. Minha grande questão girava entorno do susto. A pergunta que não calava em minha mente era "Como alguém consegue se assustar com o toque do próprio telefone?'

Passaram-se alguns meses, depois anos. E esta situação se repetiu umas duas ou três vezes. Confesso que eu tinha que me conter para não dar uma boa gargalha do susto que ela ainda levava com o toque do telefone. A reação dela era engraçada por demais! 

Nos separamos, porque a vida foi mudando. E é assim que as coisas acontecem. Há algumas semanas eu estava aqui lendo e pensando sobre alguns assuntos quando meu celular tocou. E sim! Eu dei um pulo da cadeira e meu coração quase saiu pela boca. E o mais engraçado é que na hora eu lembrei daquela situação com a terapeuta. 


Até breve!


Postar um comentário

15 Comentários

  1. É engraçado mesmo esse tipo de susto, mas por vezes, quando estamos "desligadas!", acontecem. beijos, sempre bom te ler! chica

    ResponderExcluir
  2. Já me assustei uma ou duas vezes. Como a Chica diz, quando estamos desligados, muito concentrados numa coisa, isso pode acontecer.
    Vanessa, um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um fato constatado! srsr
      Grata pela visita Jaime! =)

      Excluir
  3. Já me assustei com o toque da campainha da casa, estava completamente desligada 🤣🤣
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. srsr A vida e suas levezas!!!
      Grata pela visita Amélia! :*

      Excluir
  4. Eu sempre tomo esses sustos porque sou bem desligada, hahahaha. ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsr!
      Bom te ter por aqui Kaila!
      Sejas bem vinda!!!

      Não te assustes hein!!! srsr

      Excluir
  5. Hahaha! Acho que é porque estamos concentrados demais, e de repente...

    Ontem levei um susto aqui em casa. Tenho um sininho na porta da cozinha. Era tarde da noite, e a casa já estava fechada e silenciosa. De repente, ouvi o sininho tocar, e levei um basta susto. Com o maior medão, fui olhar o que era: um morcego, que voando, esbarrava no sininho e fazia ele tocar! Parecia que ele estava realmente gostando da brincadeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. heheh!! Eu nem sei o que faria Ana! kkk Mas se o bichinho se divertiu está tudo acertado! srsrsr

      Um abraço minha querida!

      Excluir
  6. Com o meu nunca me assustei, mas com os dos outros se o som estiver muito alto sim! :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  7. Olá Vanessa,

    Ler crônicas sempre acaba nos proporcionando uma leitura leve e singular, e com seu texto não foi diferente. Gostei do fato de você mostrar como as coisas mudam e como acabamos vivenciando situações que antes não achavamos possível. Também sou dessas que às vezes se assusta com o toque do telefone.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Muitas vezes já me peguei nos devaneios da vida e levava susto por qualquer coisa hahaha! Adorei sua crônica

    ResponderExcluir
  9. Creio que depende muito da ocasião em si pra termos um susto e tal.
    E sempre são em momentos que estamos focadas em algo né vdd rs.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Trate as pessoas da forma como devem ser. E você as ajudará a se tornarem aquilo que elas são capazes de ser (Goethe)

Obrigada pela visita!
www.pensamentosvalemouro.com.br