De onde vieram os eBooks?

 Os eBooks vieram para ficar! A cada ano que passa, mais eles ganham espaço na vida dos leitores. E há gente que diga que um dia eles podem até tomar o lugar dos livros físicos... Você concorda

 Bem, este é um assunto para a próxima postagem. Hoje na estreia da coluna InfoRme-se resolvi tratar com vocês da origem desse tipo de livro.

(O artigo, foi escrito há algum tempo e publicado na 1ª Edição da Revista  Geração Bookaholic. Porém, após outras pesquisas, constatei que ele ainda está bem atual!)

Ebooks, literatura, Blog Literário, Pensamentos Valem Ouro

Há quem pense que o Ebook seja algo recente, mas folheando as páginas desta história chega-se à conclusão de que ela não é tão nova como, às vezes, parece. A começar pelas várias indefinições e dúvidas que são geradas quando o tema é sua origem. Sobre este detalhe encontramos diferentes concepções que tornam variadas as possibilidades de definição de primeiro livro digital. 

Tudo vai depender dos atributos que cada pesquisador elenca a uma obra para chamá-la de livro digital. Por exemplo, se será um texto disponível no computador ou na internet... Ou se deverá seguir a conceituação do tripé sofware – hardware – conteúdo. Dependendo de cada posicionamento, uma série de autores começa a aparecer e desenhar as linhas dessa história. 
 

Textos disponíveis no computador ou na Internet

Considerando a primeira opção, textos disponíveis no computador ou na ‘internet’, seremos levados ao Projeto Gutenberg desenvolvido por Michael S. Hart em 1971. Mais precisamente à "Declaração de Independência dos Estados Unidos" que foi o primeiro livro publicado pelo projeto. Michael era estudante de Illinois (EUA) e teve acesso aos computadores da Universidade, coisa difícil já que, na época, era uma atividade relativamente cara. O estudante resolveu deixar sua contribuição para a equipe de operadores do sistema e digitalizou a toda a ‘Declaração’ e depois, em acordo com os operadores, deixou o trabalho disponível no sistema para download. 

O projeto deslanchou tornando-se uma grande plataforma online para distribuição de livros digitais gratuitos tendo em 1989 dez livros publicados. Seu principal objetivo era facilitar o acesso das pessoas de forma livre aos livros e conhecimento humano. Em atividade e crescimento constante até hoje o projeto mantém sua filosofia de tornar possível a leitura de uma grande obra em qualquer computador ou dispositivo eletrônico. 
 
Imagem de fancycrave1 por Pixabay

 

Tripé software – hardware – conteúdos

Por outro lado, considerando a segunda opção que diz respeito ao tripé software – hardware – conteúdos, definição dada pelo pesquisador e especialista em eBooks, Ednei Procópio, chegaríamos a conclusão de que os primeiros eBooks precedem à leitura de textos disponíveis na internet. E então, conheceríamos ferramentas como Thomisticus, criada pelo Padre italiano Jesuíta Roberto Busa que permitia buscas nas obras de São Tomás de Aquino. O trabalho se deu no final da década de 40 e consistia em um índice anotado dos trabalhos de Tomás de Aquino. 

Este fato é deixado de lado por alguns pesquisadores visto que se trata somente de um índice para análise literária e não uma obra independente. Mesmo assim, é um trabalho que contém em suas origens uma quebra de barreiras entre literatura e informática. 

Nesta corrida, outros autores como Ángela Robles, que inventou o dispositivo Enciclopédia Mecánica (1949), considerado como precursor do livro Eletrônico; Douglas Carl Engelbart, inventor do Sistema Operacional oN-Line System (NLS), que apresenta recursos próprios de um eBook, merecem destaque.
 
Há também, o Hypertext Editing System, projeto de Andries Van Dam que era financiado pela IBM e permitia a edição de documentos além de outros recursos como hiperlinks. E, próximo a ele, Edwin D. Reilly, o inventor do termo eBook como forma de abreviação de Eletronic Publication.  
 
 
Imagem de StartupStockPhotos por Pixabay
 
Como se percebe nos relatos, as obras, sistemas e dispositivos foram criados e escritos para áreas específicas. E em decorrência disso para um público limitado. Por essa exclusividade, o mercado também era restrito e acabou não criando um consenso sobre o padrão para os eBooks. Mas as pesquisas se estenderam e novidades continuaram a surgir. 

Chegamos a 1993 quando o escritor americano, Peter James publicou seu livro Host em formato impresso acompanhado de dois disquetes. O livro foi considerado a primeira novela eletrônica. Houve críticas e até quem dissesse que era um apocalipse para a literatura. Mas, mesmo assim, a obra alcançou o índice de doze mil cópias vendidas, ao passo que Peter James declara sucesso aos eBooks mesmo sendo estes ainda não tão populares. Dois anos mais tarde ainda afirma que os “eBooks fariam sucesso assim que eles se tornassem mais convenientes para ler do que o livro impresso.

E de fato, uma das características que reduziam a adesão ao Ebook estava do conforto que não propunha aos seus leitores. Embora fossem mais acessíveis eram apenas disponibilizadas para computadores limitando a mobilidade do leitor.
 
Imagem de Perfecto_Capucine por Pixabay
 
 
A questão foi contornada quando surgiram o eReader (eletronic Reader) dispositivo que permitia a leitura de eBooks para além dos computadores. É a partir deste período que começam a aparecer leitores como Rocket eBook (1998), Softbook (1999), Everybook (1999), Sony Reader (2001), Kindle (2007). 

Hoje em dia além destes dispositivos temos os celulares, tablets, IPads e outros tantos que nos permitem acesso aos livros digitais. Há também diversas bibliotecas de Domínios Públicos ou lojas virtuais onde podemos acessar e baixá-los. 

A Biblioteca Digital Mundial é uma conquista que confirma o fato de um sucesso mais que emergente destes livros, que foram surgindo de mansinho, mas, gradualmente, foram alcançando um espaço importante e considerável no Mundo Literário. 
 
Escreveu
Vanessa Vieira 

 
 
E você, conhecia alguma parte desta história? Como tem enxergado a chegada dos eBooks no mundo da leitura?

Ah, Me digam! Vocês gostariam que esta série de informações sobre eBooks e leituras digitais continuasse aparecendo por aqui? Conta para mim nos comentários!
 
Abraço!
Até loguinho!


Postar um comentário

2 Comentários

  1. Bom dia! Confesso que nunca li nenhum livro nessa versão. Também desconhecia as informações. O saber não ocupa lugar! É sempre bom aprendermos coisas novas!!

    Beijos e abraços.
    Sandra C.
    Bluestrass

    ResponderExcluir
  2. Tenho um Kindle desde 2013, e foi uma das melhores compras que já fiz na vida.

    ResponderExcluir

Trate as pessoas da forma como devem ser. E você as ajudará a se tornarem aquilo que elas são capazes de ser (Goethe)

Obrigada pela visita!
www.pensamentosvalemouro.com.br