Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros

Hoje trago a vocês a resenha do livro Memórias Inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. Este livro foi uma indicação de uma amiga muito querida. A Carlinha Campos. 

Em uma conversa lá no início do ano ela me emprestou este livro e disse que eu ia gostar da leitura. Como vocês podem ver demorei um pouquinho para ler. Mas eis-me aqui para contar a vocês como foi. Aproveitando a oportunidade incluí este livro na leitura do Projeto 12 Books que este mês tinha como desafio a leitura de um livro escrito por um homem


Memórias inventadas é um livro escrito em versos e reúne história das três infâncias do autor - Infância, mocidade, idade adulta - A ideia primeira era publicar um livro falando de sua infância, outro da mocidade e mais um sobre a velhice... Mas depois que publicou os primeiros poemas o poeta se deu conta de que sua vida fora sempre uma linda infância. 

A leitura de Memórias Inventadas é uma leitura fácil que flui de maneira encantadora. Os versos do poeta são limpos, leves e ao mesmo tempo atingem uma profundidade incrível para quem lê. ( percebi assim).  

Intercalado entre versos e iluminuras lindas feitas por sua filha e pintora Martha Barros, Manoel de Barros vai nos introduzindo em suas lembranças. Nos mostrando sua relação de curiosidade com as coisas simples da natureza e da vida humana. E de forma magnífica nos faz perceber coisas que na vida corrida das cidades poucas vezes colocamos em primeiro plano.


Outra percepção que o autor nos proporciona em todos os momentos do livro e a sua relação com a Palavra. E em um dos textos ele chega a dizer assim:

"Fomos formados no mato - as palavras e eu. O que de terra a palavra se acrescentasse, a gente se acrescentava de terra. O que de água a gente se encharcasse, a palavra se encharcava de água. Porque íamos crescendo em par..." p.171
Durante a leitura é possível, rir, é possível se emocionar com as realidades que o autor nos apresenta e é possível pensar sobre a forma que levamos a vida.

Vou confessar a vocês que minha maior dificuldade nesta leitura foi não poder marcar o livro, pois ele é emprestado né! (rs) mas acho que foi uma experiência boa. Não marcando eu fiquei mais tempo em cada ponto que me despertava  a atenção e agora é como se eu tivesse um mapa do livro. Guardando aqui junto comigo.

Vale dizer que embora os versos sejam claros e transmitam uma mensagem "em linha reta" - digo isto porque o autor diz o que realmente que dizer- ele usa as coisas da vida e acaba fazendo com que nós fiquemos com a parte das metáforas. Nós que expandimos o texto. Mas além disso, há uma forma de escrever bem peculiar do autor que está intimamente ligado com o que ele próprio fala de desconstruir para construir.

" ... Mas aquele verbo novo trouxe um perfume de poesia à nossa quadra. Aprendi nessas férias a brincar de palavra mais do que trabalhar com elas. Comecei a não gostar de palavras engavetada. Aquela que não pode mudar de lugar. Aprendi a gostar mais das palavras pelo que elas entoam do que pelo que elas informam..." p.43

Se eu pudesse ficaria aqui horas e horas compartilhando com vocês as belezas que encontrei neste livro. Mas tenho certeza que se vocês lerem também encontrarão. Então deixo a super dica. Se você gosta das palavras, quer "conversar" sobre as coisas da natureza e da infância não deixe de ler esta obra.

Quando terminei o livro olhei no Skoob e vi que três pessoas abandonaram a leitura. Confesso que fiquei triste, porque este livro é daqueles que você vai entrando no ritmo e no final as coisas vão se encaixando. É como uma trilha... Você só vai saber o final se persistir para chegar até lá.

É isso gente.Agradeço muito à Carlinha pela indicação. Acrescentou demais à minha formação e tu sabes disso. =)

Se vocês quiserem ler um dos poemas que está no livro podem acessar a page do blog (aqui) coloquei lá para não sobrecarregar a postagem da resenha. Um abraço!



Título: Memórias inventadas de Manoel de Barros
Autor: Manoel de Barros
Iluminuras: Martha Barros
Editora: Planeta do Brasil
Ano: 2008
Páginas: 189


Vanessa Vieira

14 Comentários:

  1. Oi Vanessa!
    Que lindo esse livro, as ilustrações estão belíssimas!
    Adorei quando ele diz que sua vida foi uma eterna infância!

    Beijos,
    Fernanda
    www.oprazerdaliteratura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fernanda! Esta parte foi uma das mais emocionantes pra mim. Imagine, viver uma eterna infância. Bom demais né! <3

      Um abraço!

      Excluir
  2. Uma vez eu fui numa biblioteca pública daqui e o encontrei, velhinho, velhinho. Último poeta vivo, eu acho. Esse, na verdade, é o único livro dele que eu li, mas esse também me parece ótimo,
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada do Manoel Barros, e acho que essa é uma das poucas vezes que vejo um blog falando sobre o trabalho dele como autor. Normalmente eu diria que não iria ler esse tipo de livro, mas quero dar uma chance.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Vanessa, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas fiquei com vontade de ler.
    Gosto muito de livro que fazem os leitores rirem e se emocionarem.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  5. Oiiii, tudo bem?

    Não conhecia este livro. Que coisa mais linda. Amei. Achei tão delicado a capa, a ilustração, tudo muito fofo. Gostaria sim de viajar nesta leitura.

    Adorei a resenha.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Olaaa
    É um ótimo autor, bem falado e espero ler quando tiver mais no clima e com paciência, foi uma ótima dica,vou anotar.

    Beijos
    Reality of books

    ResponderExcluir
  7. Vanessa lindona amo livros com ilustrações pareço criança, sua resenha ainda me fez querer ler logo, me aventurar rir e refletir sobre o que livro passa. Amei as quotes . beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Hey, tudo bem?

    Lembro que li esse livro nos meus 12 ou 13 anos e ele simplesmente deixou uma marca em mim, sabe. Ainda lembro de um trecho ou outro e a sensação que a leitura do mesmo me causava. É uma escrita tão delicada, tão atenciosa e passa tanto ao leitor. Eu sinceramente adorei.

    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  9. Ei Vanessa, sou eu, a Carlinha.... Bom saber que o livro mexeu com vc.... assim como fez comigo. Quem me indicou foi uma amiga de Juiz de Fora, Cida, uma professora de UFJF. Veio passear em minha casa e trouxe na bagagem este livro. Eu já o conhecia desde 1987. Comecei a ler, mas Cida se foi... e o livro , lido pela metade, também se fora.... Internet, google, e chan!!! encontrei o livro. Chegou no inverno. Ao deitar, um chazinho quente ao lado da cabeceira e o Manoel e suas infâncias, todos juntos..... e a cada letra, palavra, ficava maravilhada com esse "inventor" de palavras. Pena que ele se foi.... mas deixou tantas "estórias" fofas e e aconchegantes que não me canso de lê-las.

    ResponderExcluir
  10. A propósito, Vanessa, acho que você merece ficar com o livro. É o meu presente... vc é solidária.... lembra daquele domingo esquisito? bjs no seu coração.
    Carlinha

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Confesso que o livro não chamou minha atenção, acho que não leria. Fico feliz que você gostou, é tão bom quando nos identificamos com uma leitura assim.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Vanessa,
    Gostei muito da sua resenha e achei a diagramação do livro muito linda, mas sinceramente, eu não sei se o leria, eu tenho um problema com poesia, travo sabe e um livro em versos assim seria uma problema para mim.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  13. Oi, Vanessa!
    Adorei a ideia conceitual das três infâncias. É bom saber que a vida do autor não passou de uma longa e maravilhosa infância. As vezes me sinto assim também! Não gosto de poemas, mas fiquei com vontade de ler só pela identificação que tive com o autor.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando: Livre-se você também!

    ResponderExcluir

Trate as pessoas da forma como devem ser. E você as ajudará a se tornarem aquilo que elas são capazes de ser (Goethe)

Obrigada pela visita!
www.pensamentosvalemouro.com.br

 

Curta também

Blogs parceiros


Instagram @pensamentosvalemouro

Pensamentos Valem Ouro- Todos os Direitos Reservados | Layout por Qeen Design | Programação por Heart Ideas